Os sistemas hidráulicos atuais contam com componentes de alta precisão, tanto em rendimento como em montagem. Oferecem maior eficiência às máquinas, uma vez que possuemmenores vazamentos internos, maiores velocidades de comutação e até suportam uma maior pressão de trabalho. Em contrapartida, são mais sensíveis a contaminações do fluido do sistema e, por isso, se tornou obrigatório um reforço maior aos cuidados da filtragem.

Para garantir que os fluidos estejam dentro de um padrão, foram criadas normas que garantem qual é o nível de limpeza ideal para o funcionamento do sistema hidráulico sem qualquer problema baseado nos componentes que o integram. São duas as normas que são internacionalmente aceitas e seguem um padrão claro e preciso acerca da regulação: a ISO 4406 e a NAS 1638. Elas têm escalas de referência diferentes, mas se baseiam na contagem de partículas.

Entenda a norma ISO 4406

A International Standards Organization (ISO) estabeleceu a norma 4406 para avaliar o nível no padrão da limpeza dos fluidos e vem sendo bem aceita para diversos tipos de indústria. Ele avalia os números de partícula por determinado volume. Por exemplo, dependendo do fluido, o número ideal de partículas deve ser abaixo de 4,6 ou 14 mícrons por 1 mililitro, a depender do tipo de sistema.

O valor de 4+ ou 6+ mícrons também podem ser usados como referência para partículas sedimentadas. Para 14+ mícrons, a indicação é que a quantidade de partículas no sistema é maior do que deveria e pode, inclusive, danificar o componente por inteiro.

Conheça a norma NAS 1638

A norma NAS 1638 é mais antiga do que a versão ISO, tendo sido desenvolvida em 1964. Ela foi criada para definir as classes de contaminação que os fluidos hidráulicos de componentes de uma aeronave poderiam atingir. São cinco as faixas de proporção de contaminação de partículas por 100 ml: 5 a 15, 15 a 25, 25 a 50, 50 a 100 e acima de 100.

Um problema identificado nessa medição é que ela não é clara. A classe indicada da contaminação não deixa evidente qual é o tamanho das partículas e em que quantidade estão presentes. Sem um contador de partículas, nada poderá ser feito de forma eficaz.

Análise de fluido – por que é importante?

Analisar o fluido é a etapa mais essencial de uma manutenção programada. É essa análise que garante que o fluido segue conforme o que foi especificado pelo fabricante e verifica sua composição, determinando o nível de contaminação geral. Nessa análise, três equipamentos são imprescindíveis: contador de partículas portátil, detector de partículas em linha e uma análise de laboratório.

Agora que você já sabe quais são as normas adequadas para filtragem segundo ISO e NAS, conte com o time da Global. Nós garantimos que você tenha os equipamentos adequados para o que precisa. Nosso time está à disposição para ajudar você a encontrar a sua solução ideal, e também para ser a sua escolha em qualquer situação!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *